Altar DeMolay - Setenário e Geometria



Altar é um local cujo objetivo é dedicado a conexão com o Divino, um lugar onde são realizadas as práticas espirituais, onde são colocados os materiais necessários para realização de um Ritual e a conexão com uma egrégora. É um utensílio religioso, mas não exclusivo de Religiões. No Templo - que significa "local sagrado", do latim templum - DeMolay, chamado de Sala Capitular, o Altar tem esse objetivo e é utilizado dessa maneira.

Arquitetonicamente falando, o Altar é a base de todo Templo, é a Pedra Fundamental da qual toda sua estrutura será construída. Ocupa uma posição intermediária no Templo de maneira que se torne uma conexão simbólica entre o mundo espiritual e o mundo terreno, o local de união entre o Macro e o Microcosmo.

No campo simbólico o Altar é um local dentro de nós em que entramos em comunhão com nosso lado divino, é um estado de consciência que nos liga com o que está no Alto. Dessa ideia que vem um mito conhecido como "Montanhas Sagradas", como temos no mito de Moisés que subiu ao alto do Monte Sinai para falar com Deus e desceu com seus mandamentos. Essa história não passa de um símbolo cabalístico em que "Monte Sinai" representa um estado elevado de consciência que Moisés alcançou através de 49 dias de meditação dentro de si. É um local simbólico, e não físico.

Na construção física do Altar, ele se torna o nó do Templo onde se cruzam as energias psíquicas. É o local utilizado para se realizar uma ruptura entre os planos, é nele que realizamos as invocações, evocações e damos determinações à egrégora. É onde pedimos permissão para começar ou terminar uma reunião, apresentamos os membros aos seus novos cargos, e onde são admitidos novos membros dentro da egrégora.

O SETENÁRIO

Dentro dos símbolos e dos rituais percebemos que uma certa importância é dada a certos números dentro da Ordem DeMolay, e o número sete ocupa um local especial desse mistério: ocupa nosso Altar.

"Por que sete, e por que não oito ou nove virtudes e velas?" é uma pergunta básica a qualquer interessado em nossa ritualística. Sete é um número sagrado e misterioso a todas as culturas, é o número da criação, são a quantidade das notas musicais, são os astros móveis visíveis no céu, são o número de Leis Herméticas, dos chakras, são o número das Sephirot Emocionais na Árvore da Vida, e assim por diante. Essa tradição numérica e geométrica também estão presentes em nossa Ordem.

O sete é expresso através de uma Geometria Sagrada que a muito tempo atrás foi utilizada na Ordem DeMolay, mas essa tradição foi perdida e pouquíssimos Capítulos usam desse artifício. Alguns dispõe suas sete velas em lua crescente, outros em ferradura, outros em triângulo, e outros ainda sem um símbolo identificável, deixando as velas no altar da maneira ao acaso. É uma triste realidade, visto que em textos anteriores estudamos a importância do símbolo e da egrégora.

Três é tido como o número do espírito, está relacionado com os três aspectos de Deus e com o equilíbrio entre os opostos que existe em toda criação, e seu desenho geométrico é o triângulo. O quatro é a representação da matéria, de tudo que é concreto, e sua figura geométrica é o quadrado. A soma de três e quatro é sete, que representa a criação material regida pelo poder espiritual, portanto é tido como o número da perfeição.

GEOMETRIA DO ALTAR

Os rituais do DeMolay sempre tocam, relembram, exemplificam e conduz sua ritualística no assunto do nascimento e morte. Sobre o nascimento somos ensinados que devemos erguer nossas vidas através das sete virtudes e os três baluartes, e sobre a morte somos ensinados que ela não passa de uma passagem ao dia eterno, uma outra etapa. Essas referências dizem respeito ao espirito sobre a matéria, que é um ensinamento central dentro das nossas virtudes, e isso também representa o altar através do número sete.

Num campo simbólico o triângulo está relacionado com o elemento fogo, que representa a Luz e o próprio espírito. O quadrado está relacionado com a geometria plana, com o simbolismo do número quatro, que é o elemento terra, o material. A matéria sozinha é inerte, mas quando aplica-se a ela o fogo, surge a vida, como nos ensina o hermetismo.

Quadrado sob Triângulo é o ensinamento do material sob espiritual. E a mesa do Altar é posta entre ambas as figuras. Eis a Geometria Sagrada do Altar, que aponta ao Oriente, de onde vêm a luz que se espalhará a todos seus membros, à egrégora e a todos que forem direcionados as intenções durante as orações.

Ainda por "coincidência" temos no Setenário Místico virtudes aplicadas a vida material e a vida espiritual. As virtudes materiais que formam o quadrado temos: Amor Filial, Cortesia, Fidelidade e Patriotismo; as espirituais: Reverências pelas coisas Sagradas, Companheirismo e Pureza.

Esses símbolos são de fundamental importância na eficácia da prática ritualística. Quando formos estudar Cabala veremos que nosso Altar se situa na sephirot Tipheret, responsável por trazer a Luz de Deus a nós, que é também a representação do Sol. Veremos também em breve os tattwas orientais e veremos sua relação com essa geometria, assim como estudaremos as velas vermelhas, a linha imaginária, entre outros elementos que não podem ser desprezados.

Coincidência ou não nosso Setenário Mistico está ai.

Comentar com Facebook


5 comentários:

  1. Parabéns, mano Leo. Poderoso incentivo ao "Caminhar para dentro" em busca da Centelha Divina que todos possuem

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelos ensinamentos ministrados com excelência!!! Abraços fraternos"

    ResponderExcluir
  3. 4 E amateria onde deus descança . 7+4 =11 poder a mulher abre a boca do leão 4 x 7 =28 ciclo lunar decimo quarto dia fertil
    dizia fisico famoso po falta de materia cabou o matrialismo. moises elias jesus tiveram essa missão liberta o espirito da materia agua fogo ar ta ai triangulo equilatero o homen divino liberdade da escuridão em escorpião igualdade em libra fraternidade em virgem triangulo simbolisa amor. Abraço jorge

    ResponderExcluir
  4. Existe alguma relação entre a posição dos preceptores diante das Virtudes na formação do Brasão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Temos um padrão das posições dos Preceptores e as Velas nesse momento. Ao Norte temos um padrão do número três e ao Sul o padrão do número quatro, se formos compara a diferença no número do Preceptor e o número da vela.

      Esse padrão numérico entre os Preceptores e as Velas demonstra uma coisa: não estão nessa posição ao mero acaso. Se estivessem, o padrão numérico seria aleatório.

      Ao confirmarmos isso podemos tentar penetrar no significado do porque de cada Preceptor estar em uma vela que corresponde a outra Virtude. Por exemplo serem virtudes que estão mais ligadas, ou precisam uma das outras para serem melhores trabalhadas, ou ainda que uma Virtude exerce influência direta na outra. Dessa maneira a Cortesia se dá pela Pureza em pensamento e atitudes, a Pureza acontece através da Reverência as Coisas Sagradas, e assim por diante.

      Há ainda algo muito, muito interessante que demonstra que nossos Fundadores não criaram o Ritual de maneira aleatória. Mas é tão interessante que teremos um texto somente sobre esse evento dos Preceptores e as Velas.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...